Adubação do eucalipto


Os plantios florestais, geralmente, ocupam solos de baixa fertilidade natural, por isto, recomenda-se a adubação para possibilitar uma boa produtividade.

Adubação

No Brasil, a adubação é uma prática intensamente utilizada na atividade florestal, principalmente nos plantios de eucaliptos. Além dos fertilizantes químicos usados, é recomendado também o uso de resíduos de origem orgânica, os quais servem como fonte de nutrientes para as plantas e também como matéria orgânica para os solos.

Para o eucalipto, a recomendação é feita principalmente em função do tipo de solo utilizado para o plantio e da análise foliar já preconizada. Para solos de baixa fertilidade o uso do adubo é fundamental para que as plantas possam se desenvolver.

Recomendação de adubação mineral

A adubação das árvores de eucalipto pode ser feita no plantio, utilizando-se todo o adubo na cova ou com a aplicação do fósforo na cova, no momento do plantio e do nitrogênio e potássio em cobertura, trinta a quarenta dias após o plantio. Em alguns casos, recomenda-se também a adubação de manutenção, realizada entre as idades de 30 e 36 meses.

Adubação na cova

De modo geral, é recomendado que os eucaliptos sejam adubados considerando uma formulação N, P e K (tabela 2), definidas em função dos teores de nutrientes P (fósforo) e K (Potássio), detectados nas análises de solo, de acordo com a tabela 1.

Tabela 1: Interpretação dos teores de P e K no solo, com base nos resultados da análise química.

Na tabela 2, obtém-se a formulação e a dose recomendada.

Tabela 2: Recomendação de adubação com fertilizante mineral, para eucalipto, com base nos teores de P e k do solo.

Adubação na cova e em cobertura

Normalmente a adubação é realizada em duas etapas:

A primeira, chamada de adubação de plantio, é feita antes ou no momento do plantio. Por exemplo, em solo com médio teor de fósforo e baixo de potássio, conforme tabela 3, a quantidade recomendada é 180g de NPK (8-30-20) por cova. Pode-se optar por utilizar o adubo fosfatado (super simples) no momento do plantio para repor a deficiência de fósforo e, 30 a 40 dias após o plantio, a partir de adubação em cobertura, para repor a deficiência de nitrogênio (sulfato de amônia) e potássio (cloreto de potássio). Geralmente, o laboratório responsável pela análise de solo recomenda a quantidade adequada de cada adubo.

A segunda, também chamada de adubação de manutenção, é realizada quando as árvores têm entre 30 e 36 meses de idade, e recomendada para solos de baixa fertilidade. Normalmente é recomendada a aplicação de 90 kg/ ha de cloreto de potássio (ou aproximadamente 50 g/planta) e aproximadamente, 2 toneladas de calcário por hectare. Em solos com altos teores de cálcio e magnésio, a adubação de manutenção é realizada apenas com o cloreto de potássio.

Adubação de plantio: aplicada na cova ou no sulco de plantio.

Adubação de cobertura: aplicada de 30 a40 dias após o plantio, complementa a adubação de plantio.

Adubação de manutenção: aplicada nos plantios com idade entre 2,5 e 3,0 anos e tem como objetivo fornecer K, Ca e Mg para as plantas.